Mariana Sampaio

16 Janeiro, 2015

Chamo-me Mariana Sampaio e, entre 2009 e 2012, estudei na ESAD.CR, frequentando o curso de Artes Plásticas.

A minha memória mais marcante e extremamente irónica é a da primeira semana de aulas. Andava revoltada e mal com o Mundo. A minha primeira escolha não tinha sido a ESAD nas Caldas, que na verdade foi a minha terceira opção. Não conhecia as Caldas, nem tão pouco sabia que existia uma escola de artes. Estava absolutamente dececionada, não queria estar ali. Tinha um nó na garganta, era tudo novidade, cidade nova, escola nova, gente nova, viver sozinha, odiava tudo, não via a hora de pedir transferência para as Belas Artes do Porto (Primeira opção).

Duas semanas depois…Porto?! Nunca na vida, estava apaixonada pelas Caldas, pelas pessoas, pela Escola, pelas experiências. As novidades tornaram-se todas experiências maravilhosas e estava finalmente a fazer o que tanto tinha sonhado: Artes Plásticas. Não me arrependo absolutamente nada de ter ficado, pois foi a melhor coisa que me aconteceu.

Foram três anos tão bons, que senti que ainda não estava na hora de ir embora. Por isso, terminei a licenciatura e no mesmo ano, 2012, matriculei-me no Mestrado de Artes Plásticas. E por cá ainda ando, a reviver memórias, de sítios, de experiências vividas com muitos amigos e colegas que já foram embora. Mas tenho a certeza que quando finalmente deixar a ESAD.CR, as memórias e as saudades vão saltar todas à flor da pele.

Tinha presente que estava a encarar uma nova formação, com maior exigência, e com algo que não tinha aprofundado tanto na minha formação anterior: a teorização sobre o que faço, sobre o que outros fizeram e fazem, sobre a Arte Contemporânea e o meu enquadramento na mesma. Paralelamente ao Mestrado, tenho vindo a fazer alguns workshops na área da cerâmica, no CENCAL nas Caldas. Mas o ano de 2013 revelou-se um ano de grandes vitórias: fiz diversas exposições pelo país, destacando a participação no S.U.N.D Festival, festival de Arte que tem lugar na Fábrica Braço de Prata em Lisboa, ao lado de artistas portugueses e sérvios; participei na exposição de inauguração do Fórum da Fundação Eugénio de Almeida, em Évora, ao lado de artistas dos cinco continentes. Comecei a ser representada pela Galeria Mercearia Alves&Silvestre em Coimbra; ganhei o prémio Toma lá Arte, na categoria de escultura, com uma das peças que tive oportunidade de fazer nas formações do CENCAL na Marinha Grande, um projeto que só existiu devido ao apoio da ESAD.CR. Ganhei um prémio que deu uma grande reviravolta à minha pequena carreira: o Jeunne Creation Européenne 2013/2015, um prémio bianual francês, em parceria com diversos países europeus, no qual são escolhidos 6 artistas de cada nacionalidade para representar o seu país numa exposição itinerante, a qual teve início em Paris, e que já passou por Maastricht, Holanda, Klaipeda, Lituânia, Budapeste, Hungria e até ao próximo ano ainda passará por Itália, Espanha e terminará em Amarante, no Museu Amadeo Souza-Cardoso.

Atualmente, estou a terminar o Mestrado; mais concretamente, estou a finalizar a redação da tese, que espero defender nos próximos meses. Em paralelo, estou envolvida em alguns projetos artísticos que têm lugar na incubadora de arte Silos Contentor Criativo, em Caldas da Rainha, espaço onde tenho atelier e trabalho diariamente. Para além de continuar a fazer parte do projeto da Mercearia de Arte Alves&Silvestre, e de futuramente integrar um estágio profissional como promotora de eventos artísticos nos Silos Contentor Criativo, fiz parte do projeto TEDx Caldas da Rainha, onde tive oportunidade de apresentar duas instalações subordinadas ao mote do Talk, A Razão Auréa do Progresso. Mais recentemente integrei o projeto Outra Sala, Outros Concertos, projeto que recebe bandas portuguesas e que oferece ao público das Caldas da Rainha eventos musicais de uma cultura underground pouco explorada nesta região. À parte de tudo isso, continuo a produzir e a realizar exposições. O meu trabalho pode ser seguido na página de facebook e no meu portefólio online.

https://www.facebook.com/marianasampaioartistadeplastico?fref=ts

https://www.behance.net/marianasampaio

https://www.facebook.com/silos.contentorcriativo?fref=ts

https://www.facebook.com/outrosconcertos?fref=ts

https://www.facebook.com/MerceariaDeArte?fref=ts

Estes últimos cinco anos no IPLeiria foram decisivos a todos os níveis, tanto profissional como pessoalmente. Estou a fazer o que gosto, na área que gosto, com o apoio de professores e da Escola, que me proporcionaram parcerias com outros centros de formação, como o CENCAL. Também o acesso a bolsas de estudo, para estudar no estrangeiro, foi muito importante para mim, pois sem isso nunca teria possibilidades financeiras de fazer Erasmus em Birmingham, Inglaterra, período marcante no meu percurso na ESAD.CR, que me fez crescer muito a todos os níveis, que me fez encontrar comigo própria e que me mostrou caminhos e abriu horizontes para um futuro que espero vir a ser promissor. Agarrei todas as oportunidades que o IPLeiria me ofereceu, desde palestras, congressos, exposições, aulas abertas, nas excelentes oficinas e espaços de trabalho da ESAD.CR, visitas de estudo comparticipadas e tantas outras que podem parecer pequenas mas que marcaram muito a diferença e que me marcaram como pessoa. Hoje em dia, e ao contrário do que pensei na primeira semana de aulas, sou uma “Esadiana” com o maior orgulho e no que depender de mim, continuarei a levar o nome do IPLeiria, da ESAD.CR, das Caldas, da Golegã, de Portugal, cada vez mais longe.

Espero que este projeto ligue os antigos estudantes tanto da ESAD.CR como de todas as Escolas do IPLeiria. Espero igualmente que promova os seus alunos e alumni e que faça com que as portas continuem sempre abertas para voltarmos a “casa”.

Sugiro que criem um departamento na Rede IPLeiri@lumni que possa fazer contactos com galerias, incubadoras, empresas nacionais e internacionais, de todas as áreas, de forma a estabelecer-se um elo de ligação entre atuais e antigos estudantes e os agentes que nos podem recrutar para projetos, estágios ou até mesmo trabalhos. Assim promoviam o IPLeiria, os antigos estudantes e as empresas, dando oportunidade de escolha a ambas as partes.

Para o testemunho curto, clique aqui