Diana Magalhães

6 Dezembro, 2013

Sou Diana Magalhães e vim parar a Leiria para ingressar em 2006-2007 no Curso Preparatório de Acesso ao Ensino Superior na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG). Em 2007-2008 iniciei na mesma Escola o meu percurso na Licenciatura de Informática para a Saúde (IS), a qual concluí em 2012.

Guardo muitas memórias do meu tempo de estudante, desde as praxes aos dias abertos, os primeiros seminários de Informática para a Saúde, as dificuldades das frequências e dos exames definidas pela exigência de concluirmos uma licenciatura com boas perspetivas de trabalho.

Nos tempos em que vivi em Leiria, senti-me em “casa”. A cidade é esplêndida e como muitos se devem lembrar a “Linda Leiria” é algo que nunca se esquece. Sempre que tenho oportunidade reúno-me com bons amigos que fiz em Leiria e na ESTG para relembrarmos os bons tempos.

Na fase final da licenciatura, realizei um estágio curricular de 3 meses no Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca E.P.E (Amadora-Sintra), onde fiquei a trabalhar até novembro de 2012. Foi uma experiência profissional muito enriquecedora, devido ao contacto direto com os profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, técnicos, entre outros.

Como estava decidida a regressar ao norte do país, iniciei a procura de outra oportunidade de emprego entre Porto e Aveiro. Surgiu a possibilidade de trabalhar nos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde E.P.E, onde me encontro desde novembro de 2012 e onde presto Suporte Técnico e Aplicacional.

Durante a Licenciatura fiz parte do Núcleo de Informática para a Saúde (2009-2010) e, posteriormente, fui Estudante Delegado de Curso (2010-2012). Estas experiências permitiram que conhecesse e reunisse várias pessoas com opiniões complementares e muita vontade de trabalhar. Aí percebemos que, ao terminar a licenciatura, os profissionais ficam dispersos e pouco se encontram devido ao dia-a-dia de trabalho e vida pessoal. E assim, fundámos o Núcleo dos Profissionais de Informática para a Saúde (NPIS), com sede na ESTG em Leiria, pretendendo abraçar as áreas de informática e de saúde, para as transformar na Informática para a Saúde.

O NPIS pretende promover a discussão de temáticas de interesse comum, pois só assim se aumenta o conhecimento indispensável para a formação de profissionais de excelência. Pessoalmente, acredito no cliché ‘que a união faz a força’!

A tecnologia evolui constantemente e nós, como técnicos, temos e devemos manter-nos atualizados. Assim, o NPIS surge como um elo de ligação aos colegas da área, para partilha de experiências profissionais e vivências, de informação, de conhecimento. Deste modo, temos vindo a promover o reconhecimento do Profissional de Informática para a Saúde como um profissional chave para o desenvolvimento de áreas de grande importância atual e futura, nas várias vertentes da prestação de cuidados de saúde.

Este trabalho tem sido realizado através do desenvolvimento de atividades em quatro formatos: Symposium, Hands On, Pizza Breaks e Chill Out.

  • Symposium: Este evento tem como objetivo a partilha e construção de conhecimento entre profissionais de Informática para a Saúde.
  • Hands On: Um profissional de excelência não só desempenha o seu trabalho de forma exemplar, como é equilibrado do ponto de vista sociocultural; assim, promovemos workshops sobre os mais variados temas.
  • Pizza Breaks: O objetivo deste evento é a discussão e troca de ideias num ambiente informal, sendo mais direcionado para futuros profissionais na área da Informática para a Saúde.
  • Chill Out: Estes eventos têm como objetivo promover a descontração, diversão e lazer.

Este trabalho tem sido desenvolvido por uma equipa espectacular, da qual muito me orgulho de integrar. Convido quem tiver curiosidade a consultar a página do Facebook do NPIS em www.facebook.com/NPIS.Geral e deixo ainda o nosso email: npis.geral@gmail.com.

Depois de conhecer o mundo da “Informática para a Saúde” reconheci que é uma área em expansão, uma vez que o desenvolvimento tecnológico aplicado à saúde proporciona melhores registos, melhor prevenção, maior precisão, mais recolha de dados, diagnósticos e tratamentos mais exatos.

Com a formação académica desenvolvida na ESTG, aprendi a utilizar o apoio e acompanhamento técnico necessários para enveredar pelas diversas possibilidades, do suporte técnico à programação. Por isso, considero que o investimento que o IPLeiria realizou nesta área proporcionou-me, e a tantos outros colegas, a possibilidade de conhecer novas temáticas.

Daquilo que conheço da Rede IPLeiri@lumni, reconheço que é um projeto interessante e relevante, porque todos os indivíduos que passaram pelo IPLeiria também deram o seu contributo. E para que os novos colegas saibam com o que podem contar e o Instituto o que pode melhorar, a Rede pode e deve articular com todos aqueles que por lá passaram.

Continuem o ótimo trabalho!

Para o testemunho curto, clique aqui…