Joana Antunes

23 Julho, 2014

Sou a Joana Antunes, estudei na ESSLei, onde concluí o curso de Fisioterapia em 2013.   O meu baú enquanto estudante desta grande instituição (IPLeiria) é enorme e hoje recordo quase todos dias, as inúmeras lições que me fizeram crescer. Por exemplo, recordo o dia em que “ferozmente” lutávamos por mais condições e mais e mais… Incansavelmente acreditávamos que “podíamos mudar o mundo” e nessa força de vontade, ouvíamos expressões como “o não está garantido”, “é impossível? No mínimo vamos tentar”, “Vou se tu fores também”.   Como fiz parte da 1ª turma de Fisioterapia é difícil dizer se a formação no IPLeiria foi a melhor escolha em termos de estruturação do curso/professores. No entanto, esse primeiro aspeto que poderia parecer negativo, deu-me muitos alicerces para outros campos como sejam a pesquisa, proatividade, empreendedorismo, reflexão construtiva, entre outros, enriquecendo-me.   Depois de concluída a licenciatura, o meu percurso (de apenas 1 ano) tem sido delicioso pela paixão que tenho em relação à profissão, mas controverso pelo próprio mercado de trabalho. No entanto, trabalho desde agosto de 2013 a full time. Já frequentei diversos cursos e tenciono embarcar novamente nas folhas e livros dos quais já tenho saudades.   Sou Fisioterapeuta numa clínica privada na qual exerço reabilitação de sinistrados em vida ativa após acidentes de trabalho, articulando com os subsistemas de saúde. Em suma, passo as diversas horas do meu dia trabalhando para a funcionalidade daqueles que tiveram um infortúnio e que procuram voltar à sua vida profissional e pessoal o mais rápido possível.   Tenho outros projetos, porque ao ficar mais “livre”, também surgiu a possibilidade de explorar outros “gostos” (ginásio, dança, corrida) e apostar em projetos pessoais, como seja, “SOS – a emergência na deficiência”, projeto destinado a realizar workshops de emergência para pais/cuidadores de indivíduos portadores de deficiência.   Espero da Rede IPLeiri@lumni, um apoio a todos os antigos estudantes do IPLeiria, sobretudo se considerarmos a taxa de emigração atual. Como sugestões, proponho que apostem na formação contínua através de workshops para licenciados, parcerias para cursos de curta duração, frequência de unidades curriculares isoladas e apoio a projetos de licenciados para a comunidade.

Para o testemunho curto, clique aqui…